Categorias Blog
Últimos Comentários

Banho ou não, eis a questão

Postado por mariaminho.com 10/05/2017 0 Comentários Bebé,Mamã,

 

É um dos momentos altos do dia do bebé e dos pais. Descontrai toda a gente e cria laços de amor. Mas há quem defenda que não é necessário dar banho todos os dias.

Seja pela fresquinha, de manhã, ou ao final da tarde, quando o descanso noturno se aproxima, o banho é uma das rotinas mais importantes dos dias de bebé. Para além das questões de higiene, é entre água tépida, produtos, esponjas e toalhas suaves que acontecem momentos preciosos de contato pele com pele, massagens, mimo, amor.

«O momento do banho deve ser único e mágico», considera Maria João Palaré, para quem «esta deve ser a altura em que ele relaxa» e dilui tensões. Para a pediatra do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, é importante fazer desta uma ocasião diária. No entanto, a opinião não é partilhada por todos os profissionais de saúde. Há quem defenda que, enquanto o bebé não gatinha – não contactando, por isso, com superfícies pouco limpas – não é necessário entrar na banheira todos os dias. Tudo em nome da preservação do equilíbrio da pele, em especial da camada lipídica, ou de gordura, que a hidrata e protege.

«Não vem mal ao mundo se o bebé pequenino não tomar banho todos os dias», afirma a dermatologista Leonor Girão, ressalvando, porém, que a higiene deve ser mantida permanentemente, em especial na zona da fralda, cara, pescoço, axilas e mãos. «A área genital, para além de estar em oclusão, isto é, tapada pela fralda, cuja composição para evitar fugas não deixa a pele respirar, também se encontra em contato permanente com urina e fezes. Por sua vez, Maria João Palaré recorda que «por vezes, umas fezes mais ácidas ou em contato mais prolongado com a fralda molhada são responsáveis por lesões localizadas». O mesmo acontece nas dobras de pele, os chamados «refegos», nos quais a transpiração pode criar um caldo de cultura para desequilíbrios da epiderme.

Na limpeza destas áreas, as toalhitas, sem perfumes ou colorações, são uma opção prática, mas podem ser substituídos por compressas embebidas em água morna, em especial se a pele não tiver sujidade sólida ou apresentar irritações.

Um outro ponto que divide opiniões é a aplicação de creme ou pasta de cada vez que a fralda é mudada e nos casos em que a pele não está lesionada ou inflamada. «As dermatites da zona da fralda são importantes e não devem ser consideradas como situações normais. A melhor prevenção passa pela manutenção de uma pele limpa e seca», defende a pediatra, adiantando que «em peles suscetíveis, pode utilizar-se um creme hidratante protetor, aplicando uma camada fina bem espalhada». Leonor Girão reforça esta ideia: «não é necessário deixar uma grande quantidade de produto na pele, até porque pode ser contraproducente. Mas uma barreira que impeça a sujidade de contar a epiderme faz todo o sentido».

 

Rápido e suave

Diário ou não, é importante que o banho não seja muito prolongado. A pele do bebé «é mais sensível à luz e calor e com menor capacidade de termorregulação», diz Maria João Palaré. Tal significa que o corpo arrefece muito mais facilmente. Por outro lado, «por ser mais fina e frágil, tem maior capacidade de absorção, seja de substâncias tóxicas ou não». É por isso que os produtos a utilizar devem ser escolhidos com cuidado. «É importante que retirem as impurezas da pele, mas que não tenham uma ação detergente excessiva, ou seja, que respeitem a película de gordura necessária à saúde da epiderme», realça Leonor Girão.

Perante as inúmeras ofertas nas prateleiras de farmácias e grandes superfícies, a dermatologista da Clínica White deixa alguns princípios que podem orientar a escolha. «É importante que tenham um pH de 5,5, ou seja neutro, e sejam compostos pelos chamados ‘syndates’, isto é, detergentes sintéticos especialmente concebidos para retirar apenas o que está em excesso». De forma a garantir estas duas características, a especialista recomenda ler atentamente a composição e, em caso de dúvidas, falar com o pediatra. Por outro lado, «nos primeiros meses, um só produto é mais do que suficiente para o corpo e para o couro cabeludo», considera. Por seu lado, Maria João Palaré realça que «a utilização do mesmo produto de higiene evita que a pele se adapte às várias combinações de ingredientes dos diferentes produtos».

 

Recreio aquático

 

A altura do banho é também ideal para brincadeiras. Mesmo antes de se encantar por patinhos de borracha, o bebé delira com as sensações de água na pele e encanta-se com o respingar, o borbulhar, o chapinhar e todos os outros sons que acontecem dentro da banheira. Quando chega a altura dos brinquedos, é importante escolhê-los bem: como provavelmente ele passará a vida a mordê-los, os modelos suaves, sem arestas pontiagudas nem peças pequenas e/ou amovíveis e sem tintas tóxicas ou que possam sair pelo efeito da água ou produtos de higiene.

O banho não tem de ser um programa para apenas dois, mesmo que a manipulação do bebé seja feita pelo pai ou pela mãe. Avós, tios e irmãos podem ser convidados a participar, nem que seja com cantigas, lengalengas ou outras brincadeiras. No entanto, é importante ter a certeza de que o bebé esteja sempre seguro. É que o entusiamo pode ser suficiente para movimentos bruscos que o desequilibrem ou que lhe façam entrar água para os olhos, nariz e boca.

 

Bê-a-bá do banho

- Segure o bebé, apoiando a nuca na dobra do seu cotovelo e colocando a sua mão na axila. O apoio é total mas, ao mesmo tempo, o corpo fica livre.

- Mergulhe-o devagar na água. Os bebés arrefecem muito rapidamente, por isso o contacto com a água deve ser breve. Comece por lavar e enxaguar a cabeça e continue para a face, tronco, membros e área genital. 

- Vire-o de costas e apoie o tronco no seu antebraço, voltando a segurar a axila com a mão. Termine a limpeza corporal e antes de retirar o bebé da banheira passe uma toalhinha em todo o corpo, para retirar eventuais resíduos de produto de limpeza. 

- Envolva o bebé com uma toalha ou roupão suave e seque a pele com pequenos toques. Atenção às pregas do pescoço, axilas, ângulo interior dos joelhos, área genital e espaços entre os dedos das mãos e dos pés.   

- Se for necessário, e aproveitando que estão moles, corte as unhas. Se estiver muito inquieto, espere pela próxima sesta. 

- Limpe o exterior do nariz com uma compressa embebida em soro fisiológico. Pegue noutra compressa com soro e inicie a limpeza dos olhos, no sentido orelha-nariz, já que este movimento evita que sujidades e microrganismos presentes no canal lacrimal sejam arrastados para a pupila ou o interior do olho. Nunca use a mesma compressa nos dois olhos. 

- Os cotonetes são proibidos nos ouvidos. Limpe apenas a parte exterior da orelha, com uma compressa embebida em soro. É preferível que a cera visível na entrada do canal auditivo saia naturalmente.

Revista Pais&Filhos 

Deixe um comentário